Atualize seu Navegador Nós detectamos que você esta usando uma versão obsoleta do Internet Explorer como seu navegador web.
Para entrar no site e usufruir de todos os recursos, por favor instale uma versão mais atual do IE.
Só levara alguns minutos para completar.

O site também pode ser visto usando:

Notícia

INSS pode ter apagão nas perícias a partir de janeiro de 2019 com aposentadoria

(Foto: Reprodução/Mix Vale)

INSS pode ter apagão nas perícias a partir de janeiro de 2019 com aposentadoria. A perícia médica do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pode ficar prejudicada a partir de janeiro de 2019, quando até 20% dos médicos peritos do órgão poderão se aposentar, de acordo com uma estimativa da Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP). Caso este total decida deixar a ativa, o órgão pode perder quase 800 peritos, dos cerca de 3.700 que atuam em todo o país. Este é o quadro que o presidente eleito, Jais Bolsonaro, terá de enfrentar já no início de sua gestão.

De acordo com um perito do INSS lotado no Distrito Federal, que preferiu não se identificar, há, sim, a possibilidade de apagão. Segundo ele, dezenas de postos sofrem com carência de peritos, o que faz com que o tempo de espera por uma data seja muito longo.

— Isso com certeza vai piorar, visto que hoje já enfrentamos dificuldades. imagina com quase 800 peritos a menos e sem previsão de concurso — disse.

Hoje, o órgão já sofre com déficit de médicos peritos nas agências. Segundo a ANMP, faltam cerca de três mil profissionais nos postos, visto que o ideal para o total de agências seria em torno de seis mil profissionais atuando nas perícias médicas, necessárias para a concessão de aposentadorias por invalidez e auxílios-doença.

De acordo com o presidente da ANMP, Francisco Alves, no entanto, os exames não serão prejudicados. Segundo ele, a melhor gestão da fila para agendamento de perícias otimizou o atendimento aos segurados nos últimos anos.

— Houve uma eficiente gestão da fila de agendamento de perícias médicas no INSS nos últimos anos. Para ter uma ideia, mesmo com 20% no aumento dos agendamentos, nos últimos três anos conseguimos reduzir a espera por atendimento de 50 para 20 dias.

Fonte: Mix Vale