Atualize seu Navegador Nós detectamos que você esta usando uma versão obsoleta do Internet Explorer como seu navegador web.
Para entrar no site e usufruir de todos os recursos, por favor instale uma versão mais atual do IE.
Só levara alguns minutos para completar.

O site também pode ser visto usando:

Artigo

NOVA DECISÃO JUDICIAL ESTENDE ACRÉSCIMO DE 25% PARA DIVERSAS ESPÉCIES DE APOSENTADORIA

(Foto: Reprodução/FreePik)

Atualmente, quase 5 milhões de pessoas recebem benefícios por incapacidade no Brasil, tais como Aposentadoria por invalidez, auxílio-doença ou amparo assistencial ao deficiente. Tais benefícios são destinados ao segurado que não se encontra apto para desempenhar atividades que lhe garanta subsistência, devendo este ser submetido a uma perícia médica, que comprove a inaptidão ao trabalho.

Em algumas situações faz-se possível também requerer o acréscimo de 25% quando a pessoa é aposentada por invalidez e necessita de um acompanhamento de terceiros a fim de auxiliá-la no exercício de atividades básicas do cotidiano, tal como previsão do art. 45 da Lei n. 8.213/91.

Para requerimento na via administrativa, ou seja, junto ao INSS, o adicional de 25% somente é possível de conceder para os aposentados por invalidez, que além de não ter condições de trabalhar, não possuem também condições de executar as atividades básicas do cotidiano, necessitando de alguém a todo momento para auxílio dos afazeres mais simples do seu dia. Todavia, recentemente, o STJ – Superior Tribunal de Justiça – se pronunciou quanto à possibilidade de garantir esse adicional também para as outras espécies de benefícios previdenciários, tais como Aposentadoria por tempo de contribuição e por idade.

Nesse sentido, as pessoas que também são aposentadas por idade ou por tempo de contribuição, se após a concessão do benefício, forem acometidas por alguma incapacidade para gerir autonomamente os seus atos da vida cotidiana, é possível requerer o adicional de 25% pela necessidade de auxílio permanente de terceirosTal direito, no entanto, só é garantido na via judicial.

André Benedetti de Oliveira
OAB 31.245 PR